Publicidade
|
Política

Governador Ricardo Coutinho ameaça exonerar secretários acomodados
11.01.2017 enviado às 18:57
Texto:
Governador Ricardo Coutinho-PSB (Imagem: MaisPB)
JOÃO PESSOA (PB) - O governador Ricardo Coutinho (PSB) ameaçou exonerar secretários e diretores de obras que “estiverem acomodados”. A declaração foi feita ao Portal MaisPB, durante a primeira reunião deste ano, que acontece na tarde desta quarta-feira (11), na Escola dos Servidores Públicos do Estado da Paraíba  (Espep), em Mangabeira.
 
“Quero, e vai ser dessa forma, que este governo chegue no último mês com o afã, o compromisso, e a mesma vontade do primeiro mês de gestão. Eu como governador, como comandante dentro do Estado,  não admito que tenha alguém dentro do governo que não tenha esse mesmo compromisso. Se por acaso eu perceber, eu peço o cargo, na hora.  Não há espaço pra isso no meu governo. Não há nenhum arrumado político que mantenha”, afirmou.
 
Coutinho ainda ressaltou que “Nossa tarefa se encerra em 31 de dezembro de 2018.  Não é porque está faltando seis meses para acabar o governo, que ninguém vai ficar acomodado. Vamos entregar um Estado enxuto e muito melhor.É preciso ter fôlego e compromisso”, disse.
 
ASSISTA AO VÍDEO:
 
 
Do MaisPB
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Paulino tem apoios para comandar o PMDB da Paraíba, diz Os Guedes

»NOVA COLUNA! A. Santos escreve sobre Lula, pesquisas e golpistas

»Raniery comenta ‘indicação’ de Roberto Paulino para presidir PMDB da PB

»Temer adia visita à PB para 9 de março e terá RC e Cássio no palanque

»Aguinaldo Ribeiro é alvo de inquérito da Lava Jato no STF, diz Estadão

»Relator no TSE dará voto duro sobre cassação da chapa Dilma/Temer

»Raniery defende candidatura própria do PMDB ao Governo em 2018

»Aguinaldo recebe ligação de Temer e aceita liderança do Governo

»Peemedebista garante que Ricardo Coutinho se aliou a Michel Temer

»SENADO FEDERAL APROVA INDICAÇÃO DE ALEXANDRE DE MORAES COMO NOVO MINISTRO DO STF

 
 
 
Editorial do dia

Saída de Padilha resolve problema do governo

Osmar Serraglio não foi uma má escolha para o ministério da Justiça. O presidente Temer teve que se render ao PMDB e escolheu uma pessoa que não é marcada pela cumplicidade e por isso mesmo não agradou a uma ala do partido.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas