Publicidade
|
Paraíba

Comerciante tem 'escritório na praia' alugando guarda-sol e cadeiras
09.01.2017 enviado às 01:52
Texto:
Renda com o trabalho informal pode chegar até R$ 450 por dia, em alta temporada (Foto: Dani Fechine/G1)
JOÃO PESSOA (PB) - Com 59 anos de idade, Ednaldo Borges decidiu que o seu novo escritório seria na praia. “Quem quiser me encontrar, estou aqui”, confessa. Há nove anos, Ednaldo aluga cadeiras, guarda-sol e bebidas nas areias da praia de Tambaú, em João Pessoa. Ele conta que foi o primeiro a chegar na área, onde permanece até hoje. “Perguntou quem é Naldo, todo mundo sabe”, diz.
 
O trabalho é de domingo a domingo, a folga é uma vez por semana, mas o prazer de ter o próprio negócio é diário. Na época de verão, sol mais quente, a criançada brincando na praia, o faturamento compensa. Em dias normais, a renda atinge R$ 300. Na alta temporada, pode chegar a até R$ 450 nos dias de maior movimento.
 
Antes de montar a empresa informal “Guarda-Sol do Naldo”, Ednaldo também trabalhava com vendas, mas de forma terceirizada e que não dava o mesmo retorno que tem hoje. “Eu fui em Recife e vi o pessoal fazendo isso, então eu trouxe a ideia para cá”, conta.
 
Morava na cidade de Caruaru, em Pernambuco, mas há quinze anos vive em João Pessoa com a esposa. “Aqui eu sou o patrão”, ressalta Ednaldo. Com isso, a renda é maior, mesmo que ainda precise pagar três empregados.
 
Com as barracas prontas para ser montadas, Ednaldo chega na praia às 7h30, se ajeita no escritório embaixo do seu guarda-sol e só vai embora quando o sol já está se despedindo. A concorrência parece ser alta, já que a cada 100 metros, no máximo, um novo empreendedor está pronto para também fazer o seu negócio com aluguel de cadeiras. Mas, Ednaldo garante que no final do dia, todos ganham.
 
Apesar das incertezas, o trabalho dá prazer a Ednaldo. Durante a semana, o público é menor. No inverno, os clientes também diminuem. “Gostava do meu trabalho também, mas as vendas caíram e optei por isso aqui. Vim direto nesse negócio e deu certo”, declara.
 
Ele é casado e não tem filhos. O desejo, quando ainda cursava o ensino médio, era ser advogado, mas acha que agora, com 59 anos, não tem mais idade para isso. No entanto, o sonho se mantém vivo. “Ainda não deu, mas vamos lá. Por enquanto, sigo por aqui. De Tambaú ao Cabo Branco, perguntou por Naldo, alguém sempre aponta a direção”.
 
Do G1PB
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Escola Unidos do Roger é a grande campeã do Carnaval Tradição de JP

»OAB-PB: prefeituras podem continuar contratando advogado sem licitação

»Água do São Francisco está a 53 km de Monteiro e depois vai para CG

»Áudio mostra Márcia Lucena negociado cargos com vereadores do Conde; prefeita fala em “cuidado”

»MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL MANDA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA REALIZAR NOVAS ELEIÇÕES

»PRIVATIZAÇÃO! Oposição na AL quer saber situação financeira da Cagepa

»Secretário desmente especulação sobre terceirização da Cagepa

»GOVERNADOR INICIA PRIVATIZAÇÃO DA CAGEPA E ESPERA APURAR R$ 1 BILHÃO, DIZ O GLOBO

»Gervásio recebe comitiva do MP e ressalta diálogo entre instituições

»INATIVOS DA PM DENUNCIAM: "NUNCA FOMOS TÃO MASSACRADOS E HUMILHADOS QUANTO PELO GOVERNADOR DA PB"

 
 
 
Editorial do dia

Saída de Padilha resolve problema do governo

Osmar Serraglio não foi uma má escolha para o ministério da Justiça. O presidente Temer teve que se render ao PMDB e escolheu uma pessoa que não é marcada pela cumplicidade e por isso mesmo não agradou a uma ala do partido.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas