Publicidade
|
Saúde

Droga amazônica ayahuasca seduz celebridades e psiquiatras nos EUA
09.01.2017 enviado às 01:08
Texto:
LOS ANGELES (EUA) - Dominique era viciada em cocaína e fumava dois maços de cigarro por dia até o dia em que descobriu a ayahuasca, uma poção alucinógena que afirma ter mudado sua vida. "Larguei tudo de um dia para o outro sem esforço", conta. A franco-americana, que mora em Los Angeles e preferiu não ser identificada pelo nome de batismo, é uma entre os milhares de adeptos que se renderam nos Estados Unidos à mistura psicodélica de ervas proveniente da Amazônia, apontada como responsável por auxiliar na superação da dependência química, da depressão ou de algum trauma psicológico.
 
A poção, preparada e consumida como parte de um ritual xamânico, está fazendo sucesso em Hollywood e no Vale do Silício. Milhares de pessoas se reúnem para experimentar esse elixir e testemunhar suas propriedades terapêuticas, ainda que a comunidade científica e usuários alertem para o uso da ayahuasca como algo com perigo em potencial, especialmente se misturada com outras drogas.
 
Dentre as celebridades usuárias da ayahuasca estão Sting, Paul Simon, Tori Amos e Lindsay Lohan, que afirmam que a planta proporciona uma experiência espiritual única. Muitos relatam também terem superado com ela traumas que nunca haviam vencido com qualquer outro tratamento terapêutico convencional. "Acredita-se equivocadamente que são os hippies com penas nos cabelos que a utilizam. É exatamente o contrário. Há estilistas, atores, empresários, advogados....", afirma Jeff, que organiza cerimônias com uso de ayahuasca em Los Angeles, Califórnia, e preferiu que seu nome real não fosse utilizado."Em tempos em que o consumismo e entretenimento dominam, há pessoas que querem ter experiências mais profundas, consideradas experiências espirituais, algo sagrado", resume.
 
Cem cerimônias por noite em Nova York 
 
Aproximadamente 100 cerimônias clandestinas com uso de ayahuasca acontecem toda noite em Nova York e outras cidades como Los Angeles e São Francisco, segundo Dennis McKenna, professor do Centro para a Espiritualidade e Cura da Universidade de Minnesota, no norte dos EUA. McKenna relata ser difícil ter um número exato da quantidade de reuniões com uso da erva que vem acontecendo no país, uma vez que a substância contida na poção é ilegal em território americano. A dimetiltriptamina (DMT) pertence à mesma categoria do ecstasy e da heroína.
 
Duas igrejas brasileiras situadas no oeste americano têm autorização de uso por utilizarem a ayahuasca em rituais. Seguidores dos ensinamentos da ayahuasca contam que ingerem o chá de gosto desagradável apenas em intervalos de muitos meses e devem manter uma dieta restrita antes de fazerem uso da erva.
 
'Andorinhas violetas'
 
As cerimônias geralmente ocorrem em locais abertos e incluem meditação e canções espirituais, denominados "ícaros". Usuários de ayahuasca declaram passar por experiências fora do corpo que lhes permitem confrontar alguns de seus piores medos. "Eu vi andorinhas rosas e violetas, e formas geométricas verdes", conta Leonard. Essas visões, no entanto, são acompanhadas de algumas mais assustadoras que são descritas como aterrorizantes. Quem participa do ritual também vomita muito, algo descrito como purificador.
 
"O aspecto purificador é bastante catártico", diz Jeff. "Na mata, eles consideram isso antiparasitário". Alguns relatam sair da experiência sem nenhum momento de revelação pessoal, enquanto outros descrevem uma transformação radical."Eu parei de fumar, comecei a meditar e me reconectei com a natureza", conta Leonard. "E me resolvi com meus pais".
 
Os efeitos da erva despertam cada vez mais o interesse de cientistas e pesquisadores. Jessica Nielson, da Universidade da Califórnia, em San Francisco, estuda ayahuasca no campo da neurociência. Nielson quis saber mais a respeito da poção após experimentá-la em uma viagem que fez ao Peru."Duas pessoas que estavam comigo no Peru que tinham Transtorno Pós-Traumático pareceram estar totalmente curadas após usarem o chá", relata.
 
Charles Grob, psiquiatra do hospital universitário Harbor-UCLA, estudou o uso da ayahuasca em uma igreja brasileira, e afirma perceber uma mudança de atitude em relação a erva e uma aceitação crescente que justifica que ela seja estudada. "A medicina e a psiquiatria ocidental usualmente falham no tratamento de vícios em drogas e álcool", diz Grob."Por isso é notoriamente interessante investigá-la", acrescenta.
 
Enquanto cientistas americanos enfrentam obstáculos legais para conseguirem autorização para estudar a erva, Brasil e Espanha conduzem pesquisas notáveis a respeito, já que nesses países seu uso é permitido. Grob cita um estudo pioneiro feito no Brasil envolvendo pessoas que sofriam de depressão crônica e que não obtinham bons resultados com antidepressivos.
 
"Os resultados preliminares são satisfatórios", relata. Ainda assim, cientistas alertam que a erva pode ser perigosa, principalmente se usada juntamente com outras substâncias, e deve ser evitada por quem sofre de asma, epilepsia, bipolaridade ou esquizofrenia, já que a poção pode desencadear episódios psicóticos. "Deve-se examinar cada indivíduo para se ter certeza de que está mentalmente bem para participar da experiência", avisa Jeff. "O pior exemplo que tenho é o de um homem que ficou gritando por algumas horas", acrescentou. "Mas ele estava bem no outro dia e voltou".  
 
Do AFP via Diário de Pernambuco
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Edição de genoma produz porcos resistentes a vírus fatal

»Brasil tem 292 casos confirmados de febre amarela; mortes chegam a 97

»Por que a maneira como você cozinha o arroz pode ameaçar sua saúde

»Carlinhos Simões pede posto de saúde para comunidades de Pirpirituba

»Transplante de rosto dá nova chance a americano que atirou em si mesmo

»Brasil tem 80 mortes por febre amarela; 70 ocorreram em Minas Gerais

»OPINIÃO! Professor diz que sistema de saúde do Brasil está sucateado

»ALAGOINHA! Mãe apela por cadeira de rodas especial para filho deficiente

»Estudantes da PB criam projeto de chupeta que monitora saúde do bebê

»Raniery pede audiência afim de tratar da falta de remédio para diabéticos

 
 
 
Editorial do dia

Estilo Neide de Teotônio

Presume-se não ser apenas pelo sobrenome, mas o estilo de administrar o Poder Legislativo guarabirense da atual presidenta Neide de Teotônio tem sido pautado por mais elogios que críticas veladas, tanto da parte dos servidores da Casa quanto dos parlamentares.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas