Publicidade
|
Política

Prefeito de Gurinhém pode ser cassado por suposta compra de votos
04.01.2017 enviado às 01:34
Texto:
GURINHÉM (PB) - Empossado há três dias, o prefeito do município de Gurinhém, Cláudio Freire Madruga, pode ter o mandato cassado pela Justiça Eleitoral e deixar a chefia do Poder Executivo antes mesmo de chegar o carnaval. O novo gestor está sendo acusado de comandar um esquema de compra de votos envolvendo o Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município. O advogado do prefeito, José Augusto Nobre Neto, nega as acusações e afirma que a denúncia é fruto de um desespero político da parte derrotada na campanha.
 
Uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) foi impetrada pelo ex-gestor Tarcísio Saulo de Paiva, que acusa o atual prefeito de abuso de poder econômico e captação ilícita de sufrágio e pede a cassação e a inelegibilidade de Cláudio Madruga por 8 anos. Madruga venceu as eleições por uma diferença de apenas 19 votos.
 
De acordo com a ação impetrada na Justiça Eleitoral, o crime teria ocorrido por meio de pagamento de mensalidades atrasadas de filiados ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Gurinhém. Constam nos autos do processo que os pagamentos ultrapassaram a quantia de mil reais e quitaram os débitos dos sindicalizados em troca de votos.
 
“Todos os indícios apontam para uma fraude enorme no referido sindicato, havendo provável conluio entre a chapa eleita, os candidatos a vereador Acácio e Romero e o presidente do sindicato, com o intuito de fraudar a liberdade do voto, por meio de favorecimento financeiro dos filiados e do próprio sindicato”, diz a peça jurídica.
 
Advogado nega acusações
 
O advogado José Augusto Nobre Neto, que atua na defesa do prefeito de Gurinhém, Cláudio Freire Madruga, disse que a ação movida pelo ex-prefeito é fruto de desespero de quem perdeu as eleições. Segundo ele, a ação não tem fundamento e está repleta de inverdades. “Essa é uma prática comum na história política  do ex-prefeito e foi assim que fez sua campanha”, comentou o advogado, afirmando que: “Quem tiver esperando por novas eleições em Gurinhém deverá aguardar a chegada de 2020”.
 
Ele afirmou que o ex-prefeito fez uma campanha repleta de “mentiras e de compra de votos”, porém tenta manchar a vitória do prefeito Cláudio Madruga com acusações levianas. “Infelizmente, para tentar criar factóides, o ex-prefeito, juntamente com Aguinaldo Freire, já condenado pela Justiça Eleitoral por espalhar notícias inverídicas, montaram depoimentos, forjaram declarações e cooptaram aliados seus para tentar macular a história de vida do prefeito Cláudio Madruga e desqualificar sua vitória”, argumentou o advogado.
 
Segundo ele, basta uma rápida leitura nos autos da ação, para se ter a certeza que o prefeito legitimamente eleito nunca teve contato com nenhuma das pessoas citadas e nunca ofereceu vantagens a ninguém, mesmo porque sua campanha foi feita de forma limpa e legítima. “Confiamos plenamente na Justiça e temos certeza que a demanda será julgada improcedente, reconhecendo a legitimidade dos votos conferidos ao prefeito Cláudio Madruga que tem muito mais que uma ficha limpa, tem uma vida limpa”, afirmou o advogado.
 
Do Correio Online
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Raimundo Lira discute com peemedebista e é chamado de "zero votos"

»Cássio ainda não decidiu sobre candidatura ao governo em 2018

»Deputado Raniery Paulino nega apoiar divisão no PMDB da PB

»Raniery elogia articulação de Lira e destaca aproximação de RC com Temer

»Wilsinho promete grande projeto para a classe estudantil de Guarabira

»Vereador Renato Meireles participa da procissão de São Sebastião

»RC diz que adversários queriam o pior e hoje pegam carona na Transposição

»Juiz de Brasília impede deputado de disputar reeleição a Câmara Federal

»Maranhão minimiza força de Lira e diz que se for convocado pode disputar Governo

»Deputado Raniery Paulino diz que não vê o senador José Maranhão fora da presidência do PMDB-PB

 
 
 
Editorial do dia

A escolha dos sucessores

O STF não terá que decidir apenas o futuro da Lava Jato, mas nesta semana deve se pronunciar sobre a sucessão na Câmara dos Deputados, onde três candidatos disputam a cobiçada posição de 2° na linha sucessória da Presidência da República. Ao eleger seu novo Presidente, o Senado também estará indicando o 3° nessa ordem, mas sem confronto.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas