Publicidade
|
Saúde

Mais de 50% das brasileiras desistem de engravidar por causa do zika, diz pesquisa
23.12.2016 enviado às 00:16
Texto:
Mãe e bebê com microcefalia em Recife, Pernambuco (Foto: Felipe Dana/AP Photo)
RIO DE JANEIRO (RJ) - Mais da metade das brasileiras em idade reprodutiva está tentando evitar a gravidez por causa da epidemia de zika que atinge o país desde 2015, de acordo com uma pesquisa publicada nesta sexta-feira (23).
 
Publicada no "Journal of Family Planning and Reproductive Health Care", a pesquisa foi realizada em junho, com 2.002 mulheres com idades entre 18 e 39 anos, com formação superior e que vivem em zonas urbanas. Esse grupo corresponde a 83% da população feminina total.
 
Do total, 56% das mulheres entrevistadas interrogadas responderam ter evitado, ou se esforçado para evitar uma gravidez em razão da epidemia de zika.
 
Pelo menos 27% disseram não ter tomado qualquer medida, enquanto 16% restantes não tinham o desejo de ter um filho, independentemente da epidemia.
 
A epidemia que atinge principalmente a América Latina se deve ao zika, um vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti que pode causar graves anomalias cerebrais nos recém-nascidos, cujas mães tenham sido infectadas. No Brasil, o país mais afetado, já conta cerca de 2.000 casos de microcefalia potencialmente ligados ao vírus.
 
Sem surpresa, mulheres que vivem no norte do país, onde a epidemia foi mais virulenta, são as que mais evitam a gravidez (66%), em comparação àquelas que vivem mais ao sul (46%).
 
As negras (64%) e as mestiças (56%) também são mais numerosas do que as brancas (51%) a renunciar a uma gestação, 
"provavelmente" em razão do impacto mais significativo da epidemia "nos grupos raciais mais vulneráveis", afirmam os pesquisadores.
Nenhuma diferença foi observada, porém, em relação à religião.
 
Para os autores, os resultados do estudo deveriam estimular o Brasil a "reavaliar sua política da Saúde em matéria de reprodução, com o objetivo de garantir um melhor acesso às informações e aos métodos contraceptivos", assim como a rever sua política de "criminalização do aborto".
 
Do G1
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Médicos são ameaçados e correm risco de morte no Trauminha de JP, diz Conselho Regional de Medicina

»Droga amazônica ayahuasca seduz celebridades e psiquiatras nos EUA

»Pesquisadores belgas descobrem proteína capaz de prevenir obesidade e diabete

»Anvisa suspende mais de 120 lotes de medicamentos; veja lista que inclui Doril e Coristina

»Meninos se vacinarão contra HPV no SUS; veja mudanças na vacinação

»Ministério da Saúde diminui número mínimo de médicos por UPA; Unidade de Guarabira será atingida

»Secretaria de Saúde de GBA divulga relatório de procedimentos de 2016

»Com ajuda de 24 profissionais, mãe dá à luz quíntuplos nos EUA

»Doença que causa dores musculares e urina preta preocupa médicos

»Biblioteca, reforma de alojamentos e de salas do Serviço Social são entregues no HR de Guarabira

 
 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas