Publicidade
|
Cultura

Após lotar teatro, Nando Reis agenda novo show em João Pessoa
21.12.2016 enviado às 13:04
Texto:
Cantor se programa para novas apresentações em JP (Imagem: Da Net)
JOÃO PESSOA (PB) - “O teatro é lindo, imenso, acústica ótima! Mas nada disso adiantaria se não tivesse ocupado por uma plateia magnífica e receptiva. Foi inesquecível para mim”. Foi assim, emocionado e surpreendido, que Nando Reis desceu do palco do teatro Pedra do Reino, em João Pessoa, na última semana. Em um público recorde e ingressos esgotados, o artista realizou apresentação única de seus maiores sucessos e também com canções feitas em parceria ao longo de sua carreira.
 
Os produtores do show em João Pessoa, João Romero, da A3 Paraíba, e Will Fonseca, da Luz Criações, também celebraram o sucesso do show. “Foi maravilhoso, acima das nossas expectativas. Todos vibraram com a energia de Nando Reis, mesmo sendo em um teatro”, disse João. “Foi sensacional. Realmente uma experiência única em termos de produção. Até quem não era fã, virou”, comentou Will.
 
João e Will, que já haviam trazido Nando Reis a João Pessoa no último Campus Festival (2015), adiantaram a nova agenda do músico na Capital paraibana. “No dia 2 de setembro de 2017, Nando Reis volta a João Pessoa. Desta vez, um show diferente, na praia”, contou João. “Será um show ainda maior e certamente será mais um para guardar na memória”, adiantou Will.
 
Show na Pedra do Reino
 
Sem o suporte dos Infernais, banda que o acompanha desde o começo da sua empreitada solo, o show no formato voz e violão deu ao público a oportunidade de assistir as canções na sua forma mais elementar: letra, melodia e harmonia, tal como vieram ao mundo. “Essencial”, como ele mesmo disse na abertura do show.
 
O formato intimista agradou. Foram duas horas e meia de duração, misturando canções antigas, novos trabalhos e conversando com o público sobre o processo de criação e outras impressões. Entre as mais emocionantes e que tocaram o público, “All Star”, a qual ele compôs para a cantora Cássia Eller (1962-2001), de quem era amigo, “Dois Rios”, uma obra feita em trio com Samuel Rosa e Lô Borges, e “Espatódea”, que ele compôs para sua filha Zoé.
 
Além disso, versões de seus clássicos também marcaram presença e fizeram o público cantar, como “Luz dos Olhos”, “O Segundo Sol”, “Quem Vai Dizer Tchau” e “Nos Seus Olhos”. “Tocar músicas que foram feitas com tanto esmero para um público querido comigo e vê-los respondendo tão positivamente a um trabalho meu, é maravilhoso. É um sentimento tão bom que fica difícil descrever!”, disse Nando.
 
Do Portal Correio
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»“Cabra Marcado para Morrer” é eleito o melhor documentário brasileiro

»Antonio Fagundes trabalha com a mulher, duas ex-mulheres e o filho

»Barrada nos EUA, Mulher Melão dorme no quartinho da polícia

»Raimundo diz que GIM é para manter o professor em sala de aula

»Morre aos 90 anos Chuck Berry, pioneiro do rock 'n' roll nos Estados Unidos

»Women’s Music Event tem 60 mulheres da indústria da musica neste fim de semana

»Jornalista Heron Cid estreia blog e novo layout do site MaisPB

»Em chamada, Record e Xuxa Meneghel alfinetam a Rede Globo

»Sandy traz turnê “Meu Canto’ para João Pessoa no próximo dia 18

»Caetano Veloso diz em vídeo que é a favor da legalização da maconha

 
 
 
Editorial do dia

Muita política, poucos resultados

Não fosse Francisco Sarmento um dos mais respeitados especialistas em recursos hídricos do País, conhecedor profundo do projeto da transposição do São Francisco do qual foi consultor, seria difícil acreditar na avaliação que fez em entrevista a Hermes de Luna, no “Debate” da TV Correio: por conta de problemas na obra, e mantido o atual ritmo de liberação, as águas só chegarão a Campina em cinco anos.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas