Publicidade
|
Brasil

Superior Tribunal de Justiça (STJ) decide que desacato a autoridade não é mais crime
16.12.2016 enviado às 11:38
Texto:
BRASÍLIA (DF) - A Quinta Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu nesta quinta-feira (15) que desacato a autoridade não pode ser considerado crime porque contraria leis internacionais de direitos humanos.
 
Os ministros votaram com o relator do caso, Ribeiro Dantas. Ele escreveu em seu parecer que “não há dúvida de que a criminalização do desacato está na contramão do humanismo porque ressalta a preponderância do Estado –personificado em seus agentes– sobre o indivíduo”.
 
“A existência de tal normativo em nosso ordenamento jurídico é anacrônica, pois traduz desigualdade entre funcionários e particulares, o que é inaceitável no Estado Democrático de Direito preconizado pela Constituição Federal de 88 e pela Convenção Americana de Direitos Humanos”, acrescentou.
 
Segundo o artigo 331 do Código Penal, é crime “desacatar funcionário público no exercício da função ou em razão dela”. A pena prevista é seis meses a dois anos de detenção ou multa.
 
Origem da decisão
 
A decisão tomada hoje pelos ministros do STJ teve origem em um recurso especial da Defensoria Pública contra a condenação de um homem pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo a mais de cinco anos de prisão por roubar uma garrafa de conhaque, desacatar policiais militares e resistir à prisão. Os ministros da Quarta Turma do STJ anularam a condenação por desacato.
 
Em seu relatório, o ministro Dantas afirmou que “a Comissão Interamericana de Direitos Humanos já se manifestou no sentido de que as leis de desacato se prestam ao abuso, como meio para silenciar ideias e opiniões consideradas incômodas pelo establishment, bem assim proporcionam maior nível de proteção aos agentes do Estado do que aos particulares, em contravenção aos princípios democrático e igualitário”.
 
Por fim, o relator observou que a descriminalização da conduta não significa que qualquer pessoa tenha liberdade para agredir verbalmente agentes públicos.
 
“O afastamento da tipificação criminal do desacato não impede a responsabilidade ulterior, civil ou até mesmo de outra figura típica penal (calúnia, injúria, difamação etc.), pela ocorrência de abuso na expressão verbal ou gestual ofensiva, utilizada perante o funcionário público”.
 
Do Uol
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Após quatro meses em vigor, Horário de verão termina à 0h de domingo

»Fux extingue processo no STF sobre pacote de medidas anticorrupção

»Senado aprova PEC que regulariza situação das vaquejadas

»STF mantém Moreira Franco na Secretaria-Geral e com foro privilegiado

»ENGENHEIRO QUE COORDENOU REFORMA DIZ QUE LULA E MARISA ERAM "POTENCIAIS CLIENTES", NÃO DONOS DO TRIPLEX

»Presidente da República diz que afastará ministros que virarem réus na Lava Jato

»Reportagem sobre tentativa de extorsão a Marcela é censurada pela justiça

»HACKER CONDENADO POR CHANTAGEAR PRIMEIRA-DAMA DISSE TER ÁUDIO QUE JOGARIA NOME DE TEMER 'NA LAMA'

»Juíza dá liminar contra posse de Moreira Franco e ironiza Temer: "mestre"

»Juiz federal manda suspender nomeação de ministro da Secretaria-Geral da Presidência

 
 
 
Editorial do dia

Foro privilegiado

Foi o STF que considerou ilegais doações empresariais em campanhas, que reconheceu a união homoafetiva como “unidade familiar”, que descriminalizou aborto nos três primeiros meses de gestação, que estabeleceu corte de ponto de servidores públicos em greve,que aprovou prisão após condenação em 2ª grau, que reconheceu dupla paternidade de filhos adotados (dos pais biológicos e afetivos), que proibiu veto a tatuados em concursos...

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas