Publicidade
|
Saúde

Fiscalização interdita duas clínicas odontológicas em João Pessoa e dentista é preso
14.12.2016 enviado às 00:12
Texto:
Material apreendido durante a fiscalização (Imagem: Portal Correio)
JOÃO PESSOA (PB) - O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público da Paraíba (MP-Procon) em ação conjunta com a Anvisa Federal; Agevisa, Gerência de Vigilância Sanitária de João Pessoa (GVS), Conselho Regional de Odontologia (CRO), Corpo de Bombeiros; Polícia Civil; representante da OAB/PB e Fisco Estadual interditaram nesta terça-feira (13) duas clínicas odontológicas na Capital e um dentista foi preso por falsificação de implantes.
 
O caso mais grave, segundo o MP-Procon, ocorreu no Centro Paraibano de Reabilitação Oral (Cenpro), localizado no bairro de Tambaú, na Zona Leste de João Pessoa, onde um dentista foi preso porque foram encontrados implantes falsificados e implantes vencidos. A prisão ocorreu com base no artigo 273 do Código Penal que trata do crime de falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais. A clínica foi interditada por falta de condições sanitárias.
 
A outra clinica interditada, conforme antecipou o Portal Correio, foi o Núcleo de Estudos e Aperfeiçoamento Odontológico (Neao), uma clínica escola que trabalha com especialidades odontológicas e cursos de graduação e pós-graduação que fica localizada no bairro do Cabo Branco, também na Zona Leste da Capital.
 
De acordo com o promotor de Justiça e diretor do MP-Procon, Glauberto Bezerra, várias irregularidades foram detectadas pelas equipes de fiscalização e segurança. “Foram encontrados medicamentos vencidos, condições de acessibilidades precárias, além de equipamentos sem segurança necessária”, disse, acrescentando que a Polícia vai instaurar inquérito para apurar o fato.
 
O Corpo de Bombeiros interditou a parte superior da Neao onde funciona a parte teórica por causa de irregularidades detectadas, principalmente com relação à acessibilidade e segurança, e deu um prazo de 15 dias para que essas questões sejam corrigidas. O CRO encontrou irregularidades na documentação dos alunos, muitos atuando em pós-graduação sem apresentar registro de inscrição no órgão.
 
Já a GVS interditou a parte da escola que funciona no térreo por encontrar material de trabalho e medicamentos vencidos, esterilizações precárias em alguns equipamentos que são utilizados em procedimentos dentários, entre outros processos de higienização.
 
A equipe do Fisco Estadual estipulou também prazo para que os responsáveis apresentem todas documentações dos equipamentos que estão em uso na clínica.
 
A redação do Portal Correio tentou falar com representantes do Cenpro e do Neao, mas não foi possível estabelecer contato.
 
Do Portal Correio
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Por que a maneira como você cozinha o arroz pode ameaçar sua saúde

»Carlinhos Simões pede posto de saúde para comunidades de Pirpirituba

»Transplante de rosto dá nova chance a americano que atirou em si mesmo

»Brasil tem 80 mortes por febre amarela; 70 ocorreram em Minas Gerais

»OPINIÃO! Professor diz que sistema de saúde do Brasil está sucateado

»ALAGOINHA! Mãe apela por cadeira de rodas especial para filho deficiente

»Estudantes da PB criam projeto de chupeta que monitora saúde do bebê

»Raniery pede audiência afim de tratar da falta de remédio para diabéticos

»CardioBem oferece consultas marcadas por telefone; Ligue 98209-6000

»É possível morrer por causa de uma relação sexual? Médicos explicam

 
 
 
Editorial do dia

Foro privilegiado

Foi o STF que considerou ilegais doações empresariais em campanhas, que reconheceu a união homoafetiva como “unidade familiar”, que descriminalizou aborto nos três primeiros meses de gestação, que estabeleceu corte de ponto de servidores públicos em greve,que aprovou prisão após condenação em 2ª grau, que reconheceu dupla paternidade de filhos adotados (dos pais biológicos e afetivos), que proibiu veto a tatuados em concursos...

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas