Publicidade
|
Religião

Autora de carta com denúncia contra Dom Aldo é inocentada
13.09.2016 enviado às 14:54
Texto:
JOÃO PESSOA (PB) - Foi absolvida da acusação de calúnia e difamação a cuidadora de idosos Mariana José Araújo da Silva, responsável pela redação de uma carta enviada ao Vaticano com denúncia de supostos relacionamentos homossexuais entre o ex-arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto e rapazes que frequentavam a Arquidiocese da Paraíba. A decisão foi publicada ontem e veio do juiz Hermance Gomes Pereira, da Câmara Criminal de João Pessoa. Ele julgou improcedente a ação movida pelo atual arcebispo emérito da Paraíba.
 
"A justiça apareceu. Nosso argumento era um só e foi acolhido pela Justiça de que o fato discutido na carta tem um laço probatório. Conseguimos juntar no processo vários outros elementos de prova que mostram que ela não inventou o assunto, como chegaram a dizer. E que também não foi uma atitude para injuriar, mas com o intuito de realizar uma denúncia sigilosa na Igreja Católica. Os fatos tanto eram verdade que o arcebispo teve que renunciar. Foi algo fundamentado", disse o advogado Iarley Maia ao ParlamentoPB.
 
O magistrado, ao analisar os autos, disse que a acusação não conseguiu comprovar o “dolo, a intenção deliberada, livre e consciente de atacar a honra subjetiva da vítima, no caso da injúria ou a honra objetiva, reputação, em caso de difamação”. Hermance Pereira explicou que a denúncia se restringe “a publicação em blogs de uma carta subscrita pela querelada (Mariana) onde são pedidas providências, em razão de suposto assédio sexual praticado pelo querelante (dom Aldo) e vários sacerdotes, contra homens e rapazes, até menores de idade, em locais diversos e até mesmo nas dependências de prédios da arquidiocese”.
 
Do ParlamentoPB
Compartilhe:
 
Comentários

Notícias Relacionadas

»Evangélica quebra imagem de Nossa Senhora e causa revolta entre os católicos; Veja o vídeo

»Pastor Valdemiro Santiago, após sofrer facada no pescoço, pede doação de R$ 8 milhões a fiéis

»Apóstolo Waldemiro Santiago leva facada no pescoço durante culto em SP

»Igreja critica divulgação de suspeitas de pedofilia na Paraíba investigadas em segredo

»Dom Lucena envia mensagem de Natal ao povo de GBA e do Brejo

»Morre em São Paulo aos 95 anos o Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns

»Através de carta apostólica, Papa concede a padres decisão de perdoar quem comete abortos

»Pastor Alexandre, da Sara de GBA, será entrevistado por Fato a Fato

»Padre Adauto é criticado e elogiado por grupos de jovens nas redes sociais

»Padre Fábio de Melo revela que pulava muro de seminário para namorar

 
 
 
Editorial do dia

Foro privilegiado

Foi o STF que considerou ilegais doações empresariais em campanhas, que reconheceu a união homoafetiva como “unidade familiar”, que descriminalizou aborto nos três primeiros meses de gestação, que estabeleceu corte de ponto de servidores públicos em greve,que aprovou prisão após condenação em 2ª grau, que reconheceu dupla paternidade de filhos adotados (dos pais biológicos e afetivos), que proibiu veto a tatuados em concursos...

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas