Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Entrevista
Mallaguty avisa que “disputará 2018” e PMDB de GBA tem de mudar métodos de campanha
30.10.2016 enviado às 22:31
Texto:
Vereador Armando Mallaguty, vice-presidente do PMDB de Guarabira (Imagem: Fato a Fato)
GUARABIRA (PB) – O vereador Armando Rodrigues de Oliveira (Mallaguty), vice-presidente municipal do PMDB, em entrevista exclusiva para Fato a Fato, afirma que o partido ainda não modernizou seus métodos de campanha, sobretudo em Guarabira, por isso defende novas condutas no exercício da “caça aos votos”. 
 
Em determinado trecho da entrevista, o vereador, que esse ano não disputou a reeleição (motivos já expostos), manda um recado ao PMDB guarabirense: “Pretendo disputar o pleito de 2018 como deputado estadual ou federal, a depender da posição de Raniery Paulino”.
 
Em relação a campanha de prefeito do último dia 2 de outubro, Mallaguty disse que o gestor e candidato a reeleição trabalhou de forma silenciosa. “Mala” também cita o fato de Zenóbio ter a máquina municipal em seu favor. “Foi uma luta desigual. A Prefeitura e o Governo do Estado contra nós. Mesmo assim, acho que saímos fortalecidos”, avaliou.
 
O vereador Armando Mallaguty ainda falou sobre suas preferências para governador e senador da Paraíba, além de outros temas ligados a política. 
 
VEJA A ENTREVISTA COMPLETA:
 
FATO A FATO - Como avalia as eleições municipais em Guarabira. Mesmo com tantas adesões, uma candidata boa de voto e o PMDB não conseguiu eleger o próximo prefeito?
MALLAGUTY - Em Guarabira nós tivemos uma série de eventualidades que enfraqueceram a oposição legitima que fez o PMDB de Guarabira durante esses quatro anos. Uma delas sem dúvidas foi à fragmentação das oposições. Por outro lado temos um politico experiente, com muito recurso financeiro e apoio de uma parcela importante do grande empresariado guarabirense e à frente da máquina pública municipal. É notório que tivemos um pleito desigual, e ainda assim nos mantemos muito bem em relação à expressividade de votação. 
 
FATO A FATO - Se a ala girassol estivesse aliada ao PMDB, o partido teria conseguido eleger o prefeito? Qual sua opinião a esse respeito?
MALLAGUTY - Caro amigo, esse é um cenário difícil de avaliar, mas o que é nítido para mim, que contribuo com a construção do partido é que hoje há um acirramento e também uma rejeição muito grande de nossa militância para com os girassóis. A perspectiva era a soma, realmente, mas também poderíamos ter a subtração de votos dos que não aceitam o diálogo com esse grupo. 
 
FATO A FATO - Na sua visão, qual foi o grande acerto de Zenóbio?
MALLAGUTY - Sem dúvidas o prefeito politicamente foi muito estrategista. Fez uma campanha mais silenciosa e de bastidores. Não vejo grandes acertos em sua gestão, e que não me compreendam mal. Não digo que sua gestão tenha sido um total marasmo administrativo, entretanto, não enxergo nela um grande motivador para a consolidação de sua vitória no pleito eleitoral recente. 
 
FATO A FATO - Quais serão os próximos passos do PMDB de GBA? Acha que deve modernizar as campanhas ou seguir no mesmo rumo?
MALLAGUTY - Este é um momento reflexivo, sem dúvidas. Acredito que é interessante uma revitalização das forças e uma repaginada nos métodos de fazer campanha, sim. É importante. 
 
FATO A FATO - Como projeta o PMDB estadual para a campanha de 2018. Terá candidatura própria ao Governo do Estado ou vai a reboque de PSDB e PSD? O que o senhor defende?
MALLAGUTY - Penso que o PMDB sai dessas eleições municipais mais maduro. Somos cientes de que um projeto político se faz com aliança e desprendimento. Perdemos importantes cidades para o nosso projeto, da mesma forma que o PSB. O estado e sobretudo a região brejeira não tem sido bem assistidos pelo governo do estado, e é evidente que precisamos de uma gestão diferente, e é notório o desgaste da gestão Ricardo e eu pessoalmente vejo que é momento de traçarmos um projeto voltado para unidade das forças políticas de nosso estado pelo bem e por amor à Paraíba. Não vejo dificuldade no diálogo do PMDB com o PSDB ou PSD! 
 
FATO A FATO - Qual seria “sua chapa” para 2018. Em quem vai votar para deputado estadual, federal, senador e governador?
MALLAGUTY - Torço para que a Paraíba renove suas estruturas administrativas. Acredito bastante que a juventude, o carisma, o entusiasmo, a competência e a experiência de ter exercido diversos cargos e funções públicas põem o atual prefeito da capital Luciano Cartaxo em evidência, podendo selar a unidade política pela recondução do estado ao crescimento. Acredito que Cássio fez um grande trabalho no senado, exercendo papéis de destaque nacional assim como o senador Raimundo Lyra, e havendo convergência não sinto dificuldade em votar em ambos. Penso que Raniery tem gabarito e está preparado para uma indicação à majoritária ou para a disputa por uma vaga na Câmara Federal e aí será um opção dele e claro terá meu apoio incondicional. 
 
FATO A FATO - Como vê Roberto Paulino em Guarabira numa possível aliança de Cássio e Maranhão em nível estadual?
MALLAGUTY - Vejo com tranquilidade. De qualquer forma é esperado que o PMDB tenha um palanque próprio em nossa cidade, caso a nível estadual se alie ao PSDB ou mantenha a aliança com o PSB. Os grupos políticos não sofrem interferência em suas realidades locais e isso é até vantajoso para os que disputam na cabeça de chapa. Cabe aos militantes compreenderem a necessidade de alianças para concretização de um projeto político. 
 
FATO A FATO - Vais disputar algum cargo eletivo em 2018? Qual seria seu futuro na política de GBA e do Brejo?
MALLAGUTY - Penso em fazer uma dobradinha entusiasta aqui em Guarabira, podendo me lançar a Deputado Estadual ou Federal só dependendo do posicionamento de nosso líder Raniery.  Acredito que o meu mandato foi de uma contribuição importante para Guarabira, assim como são minhas atividades empresariais e aí abrange o brejo como um todo e sinto que com minha participação política posso contribuir ainda mais. 
 
FATO A FATO - Em nível nacional, o que espera de Michel Temer? Ele é classificado como um dos principais arquitetos do Golpe contra Lula e Dilma?
MALLAGUTY - Eu me preocupo um pouco com a expressão “golpe”, apesar de achar que a via do voto seria mais prudente para chegarmos ao governo, entretanto passamos por um processo legitimado por sua existência e legalidade constitucional. O país passava por uma situação difícil economicamente e precisávamos assim como precisamos na Paraíba de uma força unificadora das expressões políticas para atingirmos um equilíbrio. Temer tem demonstrado competência em superar algumas questões, mas sobretudo o seu equilíbrio e abertura ao diálogo tem criado no país um clima de estabilidade política. 
 
FATO A FATO - Na sua opinião, Lula e Dilma são culpados daquilo que lhes acusam?
MALLAGUTY - O que eu acredito é que temos que seguir o princípio da legalidade. A constituição propõe o principio da presunção de inocência. Dilma e Lula foram agentes políticos importantes para nossa história, e como todo político e administrador, estão fadados a erros e acertos. A justiça tem investigado a respeito, o que se sabe é que eram circundados por um covil de gente sem caráter, que saqueou o Brasil.
 
Por Antonio Santos
Editor de Fato a Fato
Compartilhe:
 
Confira também:

»Construir presídios não é a solução, diz ministro do STF Gilmar Mendes

»ENTREVISTA! Rodrigo Janot luta para aprovar propostas contra corrupção

»Barbosa diz que impeachment foi uma encenação e Temer corre risco de não se manter

»Cleo Pires fala de casamento sem sexo e vida conjugal afastada do parceiro

»Procurador integrante da Lava Jato diz que "só os culpados fogem"

»Nicolelis ao 247: o Brasil está nas mãos de uma máfia

 
 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas