Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
Impossível não reclamar
08.01.2017 enviado às 13:10
Texto:

Caríssimo leitor;
 
Sem os impostos, ao invés de R$ 299,99, uma bicicleta custaria R$ 162,20. O tablet nacional de R$ 1.278,68 cairia para R$ 778,46. Um skate custaria menos da metade e o microondas de R$ 769,00, sem os 59,3% de tributos, poderia ser adquirido por R$ 312,98.
 
Veja quanto de impostos estão embutidos nos preços de produtos: creme de barbear, 57,05%; desodorantes, 37,37%: escova de dente, 34%; fralda descartável, 34,21%; shampoo, 44,2%; sabonete, 31.13%; sabão em pó, 40,8%; açúcar, 30,6%; biscoito, 37,3%; gasolina 57%.
 
Nós, brasileiros, pagamos de impostos em 2016 o equivalente a 153 dias de trabalho. Ou seja, de janeiro a maio e mais o 1° dia de junho,trabalhamos apenas para pagar tributos.
 
Não é sem razão a forte reação do presidente estadual do PSDB, contra o aumento dos impostos estaduais – o governador Ricardo Coutinho elevou ICMS, ITCD, IPVA e Funcep, além das taxas do Detran – e contra o reajuste de 12,38% na conta de água, anunciado após o ano novo. Ele disse que o partido irá à Justiça “em defesa da sociedade”.
 
Palavras de Ruy Carneiro: “Em todo o País estamos vendo os gestores adotando medidas criativas, inovadoras, ou pelo menos reduzindo os custos com comissionados e definindo prioridades como forma de chegar ao equilíbrio fiscal. Mas para o governador da Paraíba o método é dar uma canetada e aumentar impostos, o que penaliza mais aqueles que ganham menos e mais precisam do poder público”.
 
De janeiro de 2011- quando Ricardo Coutinho tomou posse - a novembro de 2016, a inflação somou 48,98%, mas a receita do Estado subiu 80%, uma diferença de 31 pontos percentuais. E o resultado infelizmente não foi consequência do crescimento da economia, mas principalmente do aumento de impostos, que só foram comunicados à sociedade após aprovados.
 
Para os impostos não subirem, o governo precisaria reduzir gastos. Mas em dezembro, apesar da receita extra da repatriação, a Paraíba continuou gastando com pessoal acima do limite máximo da Lei, que é de 60% da receita. Atingiu 61,59%, e por isso continuará sem poder receber aval da União para empréstimos. E janeiro começa com Ricardo já aumentando a conta de água em 12,38%, o dobro da inflação de 2016.
 
Do jeito de Ricardo, não faltará dinheiro para o Estado, mas o cidadão não poderá dizer o mesmo.
 
Por Lena Guimarães (jornalista, colunista do Portal Correio)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»As regras para 2018

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Ano bom, ano ruim

»Plantando na seca

»Sobre aplausos, breu e brilho

»Falta punição

»O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali

»O tsunami Odebrecht

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas