Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
As regras para 2018
06.01.2017 enviado às 00:25
Texto:

Caríssimo leitor;
 
A campanha para a presidência, a movimentação de Rodrigo Maia(DEM) para continuar no cargo, as candidaturas de Jovair Arantes (PTB) e Rogério Rosso (PSD) que dividem o Centrão, e as ações no STF para impedir a reeleição não são os únicos temas em pauta neste início de ano na Câmara dos Deputados. A reforma política também é prioridade, porque tem prazo: para valer em 2018, deve ser aprovada e publicada até 6 de outubro, um ano antes da eleição.
 
O Senado já aprovou e enviou para a Câmara a PEC 36, que acaba com as coligações partidárias nas eleições proporcionais (vereadores e deputados) a partir de 2020, mas permite federação de partidos.
 
Essa PEC cria cláusula de barreira para atuação de partidos (só terão direito a representação no Congresso, acesso ao Fundo Partidário e a propaganda os que conseguirem 2% dos votos nacionais, e o mesmo percentual em 14 Estados. A exigência sobe para 3% a partir de 2022). Também prevê perda de mandato para políticos que trocarem de partidos.
 
Na Câmara, a Comissão Especial da Reforma funciona desde outubro passado. O relator, Vicente Cândido quer enfrentar a partir de fevereiro as questões polêmicas, a exemplo do financiamento de campanha e cláusula de barreira para partidos, mas a pauta tem temas que vão exigir longos debates, como o fim do voto obrigatório e da reeleição, coincidência das eleições para todos os cargos e a duração dos mandatos.
 
Os prazos de desincompatibilização para a disputa, regulamentação das pesquisas e as regras da propaganda eleitoral, a pré-campanha, os prazos para registro de candidaturas e a participação feminina, também estão em projetos na comissão.
 
Consenso não será fácil, principalmente porque são regras que poderão influenciar o futuro dos próprios deputados, facilitar ou dificultar suas reeleições. Todos vão avaliar bem cada proposta antes das votações. E como também valerão para as campanhas de presidente da República, governadores, senadores e deputados estaduais, cresce o contingente dos interessados em evitar ciladas e obstáculos.
 
Se a Lava Jato mostrou que corrupção e eleição têm caminhado juntas, é tempo de separá-las. O debate e as votações vão dizer se os políticos estão realmente interessados em mudar práticas.
 
Por Lena Guimarães (jornalista, colunista do Portal Correio)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»Impossível não reclamar

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Ano bom, ano ruim

»Plantando na seca

»Sobre aplausos, breu e brilho

»Falta punição

»O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali

»O tsunami Odebrecht

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas