Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
Ano bom, ano ruim
31.12.2016 enviado às 14:44
Texto:

Caríssimo leitor;
 
Se a crise econômica deu motivos a muitos para torcerem pelo fim de 2016, na política vai deixar saudades para alguns felizardos. É o caso dos prefeitos Luciano Cartaxo (João Pessoa) e Romero Rodrigues (Campina Grande), por conta das vitórias maiúsculas obtidas nas urnas; do senador Cássio Cunha Lima, consolidado como liderança nacional do PSDB; e do senador Raimundo Lira, que após longo exílio da política, ganhou holofotes com o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
 
Se uns ganham, outros perdem. No Brasil, o PT perdeu a Presidência da República e a maioria das prefeituras que comandava. Seus opositores ascenderam ao poder com Michel Temer. Na Paraíba, o prejuízo foi para o governador Ricardo Coutinho, que tinha uma aliada no Palácio do Planalto e agora vê seus adversários robustecidos pelo novo governo e tonificados pelas urnas.
 
2016 foi excepcionalmente generoso com os partidos que fazem oposição a Ricardo Coutinho, que a partir deste domingo vão governar 71% dos paraibanos, ou 2.847.898 cidadãos. Elegeram 126 prefeitos, contra 97 do PSB e aliados, que vão administrar para 1.151.517.
 
Das 10 maiores cidades do Estado – que juntas somam 41,17% dos eleitores da Paraíba – a oposição ganhou em oito: João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita, Bayeux, Patos, Cajazeiras, Cabedelo e Guarabira. O PSB conquistou Sousa e manteve Sapé.
 
O ano foi esplendido para Luciano Cartaxo, que conseguiu o que parecia impossível: enfrentou e venceu a influência de Ricardo Coutinho e o projeto do PSB em João Pessoa, de uma só vez, e no 1° turno. E ainda reuniu no seu projeto os senadores Cássio e José Maranhão, que estavam rompidos há 19 anos.
 
O ano não foi bom para Adriano Galdino, que como candidato do PSB a prefeito de Campina Grande, mesmo com o apoio de Ricardo, não conseguiu 10 mil votos. Foi péssimo para os Motta de Patos – a prefeita Francisca perdeu o cargo, a filha Illana e o genro e prefeito Renê Maroca estão enfrentando processo judicial, o e deputado Nabor foi derrotado na eleição municipal. Tudo isso forçou recolhimento do deputado federal Hugo Motta, que estava em franco crescimento no cenário nacional.
 
Para quem não gostou de 2016 resta a certeza de que política é dinâmica. 2017 chegará com infinitas possibilidades. 
 
Por Lena Guimarães (jornalista, colunista do Portal Correio)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»Impossível não reclamar

»As regras para 2018

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Plantando na seca

»Sobre aplausos, breu e brilho

»Falta punição

»O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali

»O tsunami Odebrecht

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas