Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
Plantando na seca
29.12.2016 enviado às 11:47
Texto:

Caríssimo leitor;
 
Na última semana de 2016, período festivo em que muitos já se entregaram ao repouso e o convívio familiar integral, há quem planeje o próprio futuro político.
 
A simpatia dos moradores e filhos do Nordeste, que se espalharam por todas as regiões do País, foi fator fundamental para eleger e reeleger o pernambucano Lula, e sua sucessora, a mineira radicada no Rio Grande do Sul Dilma Rousseff. Pensando nisso, candidatos a candidatos ao Planalto começam a buscar na região eleitores para uma disputa em 2018.
 
Pensando numa disputa interna no PSDB pela cabeça da chapa, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, deu uma cartada em novo gesto político ao emprestar bombas hidráulicas para mitigar a seca no Nordeste. O tucano assinou termo de cessão dos equipamentos para a Paraíba e Pernambuco, com discurso nacionalizado.
 
O empréstimo, por quatro meses, teria potencial de beneficiar quase 2,5 milhões de pessoas, apesar da região só abrigar 1 milhão. Pernambuco e Paraíba são comandados pelo PSB, sigla do vice de Alckmin, Márcio França, e que cobiça a sua filiação para lançá-lo candidato a presidente.
 
Por outro lado, há defensores do nome do paraibano numa composição de chapa para a Presidência. Uns sonham alto, com Ricardo Coutinho na cabeça. Outros, mais comedidos, acreditam num vice com direito a atuação.
 
Além do momento de grave estiagem que a região enfrenta, num das piores secas em meio século, é nesses Estados em que está a maior expectativa para a redenção com as águas da transposição do rio São Francisco - projeto iniciado pelo pernambucano Lula (ainda tido como principal nome do PT para voltar ao Planalto).
 
O atraso da obra, prometida inicialmente para 2010, só alimenta a desesperança do sertanejo. O ato do governador de São Paulo, Estado que enfrentou severa estiagem há alguns anos, tenta aproximar sua experiência como gestor da crise hídrica paulista da solução para a falta d’água no Nordeste.
 
Já no outro extremo do duelo tucano, o senador Aécio Neves (MG), reconduzido por um ano à presidência do PSDB, que pleiteia nova chance de disputar a presidência do Brasil.
 
Enquanto não chega a água, nem bombas adiantam.
 
Por Lena Guimarães (jornalista, colunista do Portal Correio)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»Impossível não reclamar

»As regras para 2018

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Ano bom, ano ruim

»Sobre aplausos, breu e brilho

»Falta punição

»O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali

»O tsunami Odebrecht

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas