Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
Sobre aplausos, breu e brilho
27.12.2016 enviado às 16:02
Texto:

Caríssimo leitor;
 
O que era para ser a noite da cultura se transformou na noite do breu. E, por conta desse breu, que o ator Edilson Alves, diretor da peça “Como se nasce um cabra da peste”, em cartaz desde 1993, informou ao público que não seria possível concluir o espetáculo que marcaria a entrega da reforma do Teatro Santa Roza. 
 
O motivo: uma queda de energia que impossibilitou dar continuidade ao espetáculo, logo no início do espetáculo. 
 
Quatro anos de espera para a conclusão da reforma e na hora ‘H’, vráaaaaa, o público - composto de autoridades, entre elas o governador Ricardo Coutinho, e a nata da cultura paraibana - viu as cortinas do palco se fecharem, silenciando os aplausos. 
 
O breu teria sido causado por uma queda de energia no entorno do teatro. A justificativa da Energisa: um desligamento mecânico. Não vou me meter a besta de contestar. Mas... A rádio peão apurou que, ao deixar o teatro, Ricardo Coutinho teria sido informado de que foi encontrada uma barra de ferro em um caixa de energia que alimentaria a rede elétrica do espaço e isso teria causado a queda de energia. Também comentou-se que a ação poderia partido de algumas pessoas insatisfeitas com a falta de pagamento do Fundo de Cultura Augusto dos Anjos. 
 
Agora, convenhamos, se foi vandalismo, é burrice, porque o estrago é pago com o bolso do contribuinte, ou seja, nós mesmos. Se foi protesto, me poupem: quem faz cultura é inteligente o suficiente para algo mais elegante, sem prejudicar colegas. Ricardo, para quem conhece, pudera, não ficou nada satisfeito. Agora, o que importa mesmo é que o breu não tirou o brilho da obra, nem do Santa Roza.
 
Por Sony Lacerda (jornalista, colunista do Portal Correio)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»Impossível não reclamar

»As regras para 2018

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Ano bom, ano ruim

»Plantando na seca

»Falta punição

»O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali

»O tsunami Odebrecht

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas