Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
Falta punição
25.12.2016 enviado às 22:28
Texto:

Caríssimo leitor;
 
De quatro em quatro anos é assim: prefeitos em fim de mandato, cujos esquemas políticos foram derrotados nas urnas, fazem de tudo para deixar o caos para seus sucessores (opositores). O caos reina em dezenas de municípios: salários atrasados, fornecedores sem receber pelos serviços prestados e produtos vendidos, lixo, buracos, lama e poeira nas ruas, escolas e postos de saúde sucateados...
 
A cidade de Santa Rita (Grande João Pessoa), com mais de 130 mil habitantes e a quarta maior arrecadação do Estado, é o maior exemplo de descalabro administrativo em final de mandato, hoje. Cidades como Conde, Bayeux, Cajazeiras, Princesa Isabel, Piancó, Fagundes, entre outras, não ficam atrás. Não deveria ser assim. Mas é.
 
E para esse tipo de prefeito a punição deveria ser imediata. Mas a burocracia e a chicanas permitidas pela legislação brasileira também permitem a impunidade. Até que providências sejam tomadas contra gestores corruptos, que malversam o dinheiro público, uma dezena de anos pode se passar. É comum que 10, 15 anos depois de deixarem os cargos, ex-prefeitos comecem a ser julgados e condenados com penas tão leves quanto as penas de avoantes e outros pássaros de pequeno porte.
 
Já está na hora do Congresso Nacional tomar uma providência para evitar a dilapidação do patrimônio público por gestores derrotados em final de mandato, que, de propósito, tentam inviabilizar a gestão dos adversários. É inadmissível que um prefeito que passou 3 anos e 9 meses numa prefeitura tenha três meses a mais para cometer “atrocidades” contra a população.
 
O que fazer? Empossar o eleito no mês seguinte após o pleito, sem dar chances para os desmandos. Se possível, empossar o eleito no máximo 15 dias depois das eleições. Por que deixar o derrotado três meses no mandato? O que justifica? Só quem sai perdendo é a população.
 
Mas mudar a data da posse é uma tarefa do Congresso Nacional. Até porque essa história de transição é balela. Todo mundo sabe que os prefeitos corruptos (nem todos são) deixam a gestão ao deus-dará (depois que perdem) e a mente, os olhos e as mãos só se voltam para o dinheiro existente nas contas bancárias. O dinheiro não falta. A cada dez dias, entra recursos do Fundo de Participação, do ICMS e do IPVA nas contas dos municípios. É como diz o prefeito de Tenório, Evilázio (PSB): se não levar para casa, dá e sobra. É a pura verdade.
 
Por Lena Guimarães (jornalista, colunista do Portal Correio)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»Impossível não reclamar

»As regras para 2018

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Ano bom, ano ruim

»Plantando na seca

»Sobre aplausos, breu e brilho

»O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali

»O tsunami Odebrecht

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas