Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça
22.12.2016 enviado às 21:37
Texto:

Caríssimo leitor;
 
Em tempos de profundo descrédito das instituições, de uma classe política alvo do asco da sociedade, espera-se que o Judiciário – pela formação e prerrogativa – esteja acima desse processo de degradação repudiada pela sociedade.
 
Na Paraíba, o Tribunal de Justiça parece não ter compreendido esse momento e nem mesmo sua responsabilidade institucional. A crise que abateu internamente o TJ, com efeitos externos, avariou e muito a imagem de um poder cujas posturas são pedagógicas e balizadoras.
 
A guerra interna por espaços, a quebra dos ritos normais e a divisão por alas levaram o Tribunal a descer ao nível das disputas de sindicatos ou câmaras municipais, marcadas por tapetões, revanches, liminares e toda sorte de estratégia jurídica.
 
A liminar da desembargadora Maria das Graças Morais de encontro a uma decisão do Supremo Tribunal Federal, encarada como uma manobra para travar a eleição remarcada pelo presidente Marcos Cavalcanti, melou ainda mais a Corte.
 
O impasse foi solucionado com a eleição de Joás de Brito, mas nada impede que outras reviravoltas aconteçam, já que o mérito da liminar do ministro Teori Zavascki ainda vai ao plenário do STF. Ou seja, o que está ruim ainda pode piorar mais.
 
E tudo por conta de um movimento do passado, urdido para operação de um longo projeto de poder e revezamento que não demorou para se mostrar maléfico a saúde e a credibilidade do Tribunal.
 
Eis a tarefa da nova Mesa Diretora: tentar juntar os estilhaços provocados pelo racha político e juntar os cacos da imagem do Poder que mostrou suas vísceras nesse processo. E o que é mais grave; rastejou nas práticas e se igualou ao que tanto a sociedade rejeita noutros poderes.
 
Por Heron Cid (jornalista, editor do MaisPB)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»Impossível não reclamar

»As regras para 2018

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Ano bom, ano ruim

»Plantando na seca

»Sobre aplausos, breu e brilho

»Falta punição

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali

»O tsunami Odebrecht

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas