Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali
14.12.2016 enviado às 00:02
Texto:

Caríssimo leitor;
 
O que já era previamente conhecido, se efetivou: os três senadores da Paraíba – Deca, José Maranhão e Raimundo Lira -, votaram a favor da PEC 55 congelando o custeio da maquina publica federal em 20 anos. Se estivesse em exercício, o mesmo dir-se-ia (eis a mesóclise da professora Nini) do senador Cássio Cunha Lima, ainda de licença.
 
Na prática, os três senadores deram carta branca, avalizaram sem mensura a mais importante mudança constitucional depois de 1988 impedindo gastos nos próximos 20 anos sob o argumento da contenção de despesas para enfrentar a realidade econômica.
 
NENHUMA CONTESTAÇÃO
 
Em síntese, nem de longe nenhum deles ponderou alguma coisa na PEC como, por exemplo, a extensividade prolongada de 20 anos, pois poderia propor 5 anos com perspectiva de reexame de acordo com a realidade futura.
 
Além do mais, sobretudo o senador José Maranhão como ex-governador, é notório que o indice de despesas com Saúde e Educação, da mesma forma com a Segurança só tende a aumentar com o crescimento da demanda, por isso por que não flexibilizar essas áreas?
 
Nenhum deles quis admitir a ponderação da sociedade organizada e todos votaram às cegas no maior arrocho da historia contemporânea.
 
REAÇÕES DE FUTURO
 
Com o senador Deca não deve respingar muita coisa na sua projeção á frente porque ele não tem chances de ser candidato ao Senado, exceto se Cássio for candidato ao Governo, portanto, para disputar uma vaga na Câmara Federal vai precisar mesmo é de estrutura.
 
Já com Raimundo Lira e José Maranhão é diferente. Ambos sonham em ser candidato a governador em 2018, por isso a postura de hoje vai respingar fortemente lá adiante. Lira, sobretudo, vai saber disso na pele quando a realidade mais à frente apertar no bolso dos mais pobres e ousar andar pelos grotões.
 
Seu salvo-conduto chamado Ricardo Coutinho não será suficiente, mesmo com toda a aprovação à frente, porque o que foi aprovado nesta terça-feira é draconiano demais.
 
Aliás, RC se posicionou contrário a vários itens da PEC.
 
PARA CONCLUIR
 
Nos tempos de gritos roucos das redes sociais, os três senadores resolveram ficar surdos e mudos, apenas votando a favor de um Governo que fragiliza à cada dia.
 
E este é o preço que vão pagar de agora em diante. E esta avaliação está longe de ideologia ou birra politica comum na Paraíba: é de bom senso histórico e isto, mais dia menos dia será avaliado quando o maior dos componentes do corpo humano – o Bolso – for afetado na pratica no decorrer dos dias.
 
Aí já será tarde.
 
Por Walter Santos (jornalista, diretor-presidente do Grupo Wscom)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Saída de Padilha resolve problema do governo

»Sob fogo da Lava Jato

»Com prorrogação no STF, jogo empata no TJ e leva eleição aos pênaltis

»Estilo Neide de Teotônio

»Recado mais que direto

»O destino da Cagepa

»Foro privilegiado

»As asas do poder

»Jadinho e a repulsa aos deputados federais votados em GBA

»Olhos em 2018

»Respeito ao diálogo

»As opções da Oposição e o desempenho ascendente de Luciano Cartaxo

»Aonde vamos chegar? (Era Tramp)

»Temer erra ao indicar pessoa tão próxima a ele e ao PSDB

»A alternativa

»Pra fazer história

»Luciano Cartaxo ‘emburacando’ no vácuo

 
 
Editorial do dia

Saída de Padilha resolve problema do governo

Osmar Serraglio não foi uma má escolha para o ministério da Justiça. O presidente Temer teve que se render ao PMDB e escolheu uma pessoa que não é marcada pela cumplicidade e por isso mesmo não agradou a uma ala do partido.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas