Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali
14.12.2016 enviado às 00:02
Texto:

Caríssimo leitor;
 
O que já era previamente conhecido, se efetivou: os três senadores da Paraíba – Deca, José Maranhão e Raimundo Lira -, votaram a favor da PEC 55 congelando o custeio da maquina publica federal em 20 anos. Se estivesse em exercício, o mesmo dir-se-ia (eis a mesóclise da professora Nini) do senador Cássio Cunha Lima, ainda de licença.
 
Na prática, os três senadores deram carta branca, avalizaram sem mensura a mais importante mudança constitucional depois de 1988 impedindo gastos nos próximos 20 anos sob o argumento da contenção de despesas para enfrentar a realidade econômica.
 
NENHUMA CONTESTAÇÃO
 
Em síntese, nem de longe nenhum deles ponderou alguma coisa na PEC como, por exemplo, a extensividade prolongada de 20 anos, pois poderia propor 5 anos com perspectiva de reexame de acordo com a realidade futura.
 
Além do mais, sobretudo o senador José Maranhão como ex-governador, é notório que o indice de despesas com Saúde e Educação, da mesma forma com a Segurança só tende a aumentar com o crescimento da demanda, por isso por que não flexibilizar essas áreas?
 
Nenhum deles quis admitir a ponderação da sociedade organizada e todos votaram às cegas no maior arrocho da historia contemporânea.
 
REAÇÕES DE FUTURO
 
Com o senador Deca não deve respingar muita coisa na sua projeção á frente porque ele não tem chances de ser candidato ao Senado, exceto se Cássio for candidato ao Governo, portanto, para disputar uma vaga na Câmara Federal vai precisar mesmo é de estrutura.
 
Já com Raimundo Lira e José Maranhão é diferente. Ambos sonham em ser candidato a governador em 2018, por isso a postura de hoje vai respingar fortemente lá adiante. Lira, sobretudo, vai saber disso na pele quando a realidade mais à frente apertar no bolso dos mais pobres e ousar andar pelos grotões.
 
Seu salvo-conduto chamado Ricardo Coutinho não será suficiente, mesmo com toda a aprovação à frente, porque o que foi aprovado nesta terça-feira é draconiano demais.
 
Aliás, RC se posicionou contrário a vários itens da PEC.
 
PARA CONCLUIR
 
Nos tempos de gritos roucos das redes sociais, os três senadores resolveram ficar surdos e mudos, apenas votando a favor de um Governo que fragiliza à cada dia.
 
E este é o preço que vão pagar de agora em diante. E esta avaliação está longe de ideologia ou birra politica comum na Paraíba: é de bom senso histórico e isto, mais dia menos dia será avaliado quando o maior dos componentes do corpo humano – o Bolso – for afetado na pratica no decorrer dos dias.
 
Aí já será tarde.
 
Por Walter Santos (jornalista, diretor-presidente do Grupo Wscom)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»Impossível não reclamar

»As regras para 2018

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Ano bom, ano ruim

»Plantando na seca

»Sobre aplausos, breu e brilho

»Falta punição

»O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»O tsunami Odebrecht

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas