Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Editorial
O tsunami Odebrecht
13.12.2016 enviado às 12:18
Texto:

Caríssimo leitor;
 
De delação em delação, vão caindo os pilares da política brasileira. E a da Odebrecht mostra o poder de um enorme tsunami, dos que devastam tudo num raio de milhares de quilômetros. O Presidente da República, o Presidente do Senado, o Presidente da Câmara, ministros e líderes do governo foram apontados por Claudio Melo Filho, diretor da empresa, como beneficiários do esquema revelado pela Lava Jato.
 
A nova cúpula da República, a que substituiu a que caiu por conta do mesmo sistema, está na lista de um diretor que diz que cuidava do “varejo”, pois o “atacado” (os realmente poderosos da época), ficava sob controle do dono, Marcelo Odebrecht, cuja delação ainda está sob sigilo.
 
Claudio Melo Filho comprometeu todo o alto comando do PMDB: o presidente Michel Temer, o ministro Eliseu Padrilha (que segundo o delator seria o operador dos repasses a Temer), os senadores Renan Calheiros, Romero Jucá (líder do governo), Eunício Oliveira (cotado para futuro presidente do Senado) e Katia Abreu, o ex-ministro Geddel Vieira Lima e seu irmão, o deputado Lúcio Vieira Lima e Eduardo Cunha.
 
Do PT, reforçou os envolvimentos dos ex-ministros Jaques Wagner, Gilberto Carvalho, Guido Mantega e Antonio Palocci, e o deputado Marco Maia, ex-presidente da Câmara.
 
Na lista do “varejo”, políticos que defendiam pleitos da empresa: Rodrigo Maia e José Agripino Maia (DEM); deputado Daniel Almeida (PCdoB); Duarte Nogueira (PSDB); senador Ciro Nogueira (PP); senadora Lídice da Mata (PSB); e o deputado Arthur Maia (PPS).
 
Como beneficiários de Caixa 2, o tucano Arthur Virgilio, os deputados Heráclito Fortes (PSB), Paes Landim (PTB), José Carlos Aleluia (DEM), Jutahy Magalhães (PSDB), e o vice-governador do Rio, Francisco Dornelles (PP). O governador Fernando Pezão (PMDB), teria recebido R$ 23,6 milhões. Na lista “carioca” tem ainda Lindbergh Farias e o prefeito Eduardo Paes.
 
Fica pior: o texto da MP da Leniência, que beneficiaria empresas investigadas pela Lava Jato, teria sido proposto pela Odebrecht, acertado com o então ministro Jaques Wagner e assinado por Dilma Rousseff.
 
É o primeiro de 77 depoimentos. Nesse, a atual bancada da Paraíba não foi citada, mas tem Inaldo Leitão, ex-deputado. Pelo que já vazou dos outros, nenhum dos “presidenciáveis” de 2018 escapará. É mesmo o fim do mundo para eles. Para os brasileiros, é oportunidade de recomeço.
 
Por Lena Guimarães (jornalista, colunista do Portal Correio)

Compartilhe:
 
Comentários
Confira também:

»Luís Pequinês, um guarabirense

»O poder e a criminalidade

»Impossível não reclamar

»As regras para 2018

»PSDB e PSB de GBA juntos novamente?

»Ano bom, ano ruim

»Plantando na seca

»Sobre aplausos, breu e brilho

»Falta punição

»O péssimo exemplo do Tribunal de Justiça

»Compadrio e meritocracia

»A (in) sustentabilidade dos serviços, como os do INSS

»PEC 55: o voto a favor dos paraibanos e o efeito logo ali

»Nem está fácil, nem vai ser...

»A bancada da Paraíba pediu socorro; Michel Temer mandou uma ambulância

»Gastos além dos limites

»Judiciário versus Legislativo: da crise política à crise institucional

 
 
Editorial do dia

Luís Pequinês, um guarabirense

Luís Paiva, antes de ser um guarabirense que se tornou conhecido e sem dúvida será lembrado por muito tempo, foi um nordestino que, como tantos outros, resolveu cedo buscar no “sul maravilha" as oportunidades negadas, por certo, em sua terra natal.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Profº Jorge Lucena
Programa a Visão do Brasil
Mais Lidas