Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Colunista


Antonio Cavalcante
Juiz Federal da Vara do Trabalho de Guarabira-PB, articulista do Fato a Fato, escritor e professor universitário (UEPB).
O patrimônio dos deserdados
08.05.2016 enviado às 00:40
Texto:

Quando meu pai, em 21 de abril de 1986, completou sessenta anos, dei a ele o livro   “Assim morreu Tancredo”, com esta dedicatória:
“Papai. Faz um ano que morreu um homem que, por sua dedicação à pátria, tornou-se imortal. E hoje é aniversário de um homem que, por seu amor aos filhos, já é imortal. Feliz aniversário.”
           
O livro traz o depoimento de Antônio Britto, escolhido para Secretário de Imprensa e Divulgação do Governo, ao repórter Luís Cláudio Cunha, sobre a “dor e a agonia dos últimos 38 dias de vida do Presidente Tancredo Neves.”  Tocar aquelas folhas, com frases sublinhadas a grafite por meu pai, e uma folhinha do Sagrado Coração improvisada como marca página, leva-me a refletir sobre o legado de Tancredo Neves e a esperança da construção de uma Nova República, por tantos sonhada, inclusive por mim e por meu pai.
 
Nos anos anteriores à morte de Tancredo, tínhamos vivido a campanha das Diretas Já, com Teotônio Vilela a peregrinar pelo Brasil, espalhando a esperança e transformando sal em mel, como diz a canção.  Embalado por esse ideal, tive a honra de fazer o discurso de formatura em nome das turmas de Licenciatura de nossa Faculdade, em julho de 83. Em minha fala lembrei da realidade difícil de desemprego, desigualdade social e marginalização, e do desafio de atuarmos como professores numa sociedade em crise, sem perdermos a fé em nossos ideais.
 
Em abril do ano seguinte, em vez das Diretas, veio a frustração. Com a “Emenda Dante Oliveira” derrotada no Congresso, o jeito era deixar que o Colégio Eleitoral votasse por nós. Mesmo assim, como fruto da negociação política nos limites do que então se permitia, assistimos no ínicio de 85, à última eleição indireta de um Presidente da República que, naquele momento, representava a utopia possível e concreta. Na véspera da posse, porém, veio a notícia da doença. Depois, as seguidas cirurgias, a agonia, até a morte anunciada em 21 de abril. Era um domingo à noite, e após o Fantástico, o hino nacional, entoado por Fafá de Belém, fazia-se ouvir em todo o país, na mesma voz que embalara a peregrinação do Menestrel das Alagoas.
            
Aquele Presidente, que “fez e não viu a Nova República”, não chegou a nos governar, mas nos deixou um legado. Lembro que em janeiro de 1988, quando me foi dada, mais uma vez, a honra de falar em nome de nossa turma, desta feita na formatura de Direito, de novo me reportei à crise econômica, política, moral e institucional reinante à época. Mas como palavra de ânimo, invoquei o pensamento de Tancredo Neves, para quem “a esperança é o único patrimônio dos deserdados, e é a ela que recorrem as Nações, ao ressurgirem dos desastres históricos.”
 
Vivemos mais uma crise econômica e política, alimentada pela crise moral de alguns dirigentes da República. Um governo de coalização quebrou-se em duas bandas. Cada uma, sem a humildade e a sabedoria da autocrítica, acusa a outra de ser a banda podre, quando a corrupção estava entranhada no núcleo desse casamento político, desfeito com ares e xingamentos de um divórcio litigioso. Mãos que até ontem se afagavam, e juntas saqueavam nossas economias – afinal, corrupção não é crime que se pratique sozinho –, apedrejam-se sem medir as consequências dos seus atos para o futuro da nação.
            
Não deixemos que a crise se transforme num desastre histórico. Que ela seja tempo propício para aperfeiçoamento da República com que sonhamos. Para que desta crise possa nascer um futuro melhor para nosso povo, é preciso combater o discurso do ódio e a prática da intolerância, com os quais não se pode falar em “repactuação” ou “ponte para o futuro.” Que se respeitem as instituições democráticas, pois sem elas não há governo do povo. Que as conquistas sociais sejam não só mantidas, mas que a desigualdade social diminua, pois já se sabe que, nos últimos anos, para os pobres se tornarem menos pobres, os ricos tornaram-se ainda mais ricos. Só assim, a esperança, patrimônio dos deserdados, não será uma palavra vazia, mas a prática de uma utopia possível e concreta, a antecipação de um “dever ser” que pode se tornar realidade a cada dia, apesar da crise que o país vivencia.



Compartilhe:
 
Comentários
 
Confira também:

»Justiça poética

»Arrumação

»Ouvindo estrelas

»Ódio, não. Justa indignação.

 
 
Editorial do dia

Foro privilegiado

Foi o STF que considerou ilegais doações empresariais em campanhas, que reconheceu a união homoafetiva como “unidade familiar”, que descriminalizou aborto nos três primeiros meses de gestação, que estabeleceu corte de ponto de servidores públicos em greve,que aprovou prisão após condenação em 2ª grau, que reconheceu dupla paternidade de filhos adotados (dos pais biológicos e afetivos), que proibiu veto a tatuados em concursos...

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas