Publicidade
|
Galeria de Fotos Horóscopo Novelas Vídeos Email: redacao@fatoafato.com.br
Empreendedor Entrevistas Email: redacao@fatoafato.com.br
Colunista


Antonio Cavalcante
Juiz Federal da Vara do Trabalho de Guarabira-PB, articulista do Fato a Fato, escritor e professor universitário (UEPB).
Ouvindo estrelas
13.02.2016 enviado às 00:43
Texto:

Se alguém importante morria, passavam música clássica na rádio. Por isso, quando a empregada de um amigo o encontrava em casa ouvindo Beethoven, perguntava-lhe se alguém tinha morrido. Hoje não há mais esse costume por aqui. Porém, no dia dos mortos, uma emissora toca somente músicas de cantores falecidos, o que é uma bênção. A playlist dos finados é bem melhor que a dos vivos dos outros dias, com tanta música ruim, que não há cristão que aguente.
            
O sucesso dos que já se foram enchem não só os ouvidos de prazer, mas de dinheiro os cofres de alguns. Michel Jackson lidera com folga a lista dos dez famosos mortos que mais arrecadam, da qual fazem parte Elvis Presley, Bob Marley e John Lennon. Segundo a Forbes, só no último ano os rendimentos do criador de Billie Jean  ultrapassaram a cifra dos cem milhões de dólares. E se nenhum centavo dessa fortuna pode chegar aos bolsos desses astros, suponho que, mesmo sem cachê, eles continuam abrilhantando a festa do lado de lá. Se na casa do Pai há muitas moradas, também há de haver muitas playlists, não só de canto gregoriano e música clássica, mas de boas e imortais canções de todos os gêneros.
            
Ninguém sabe exatamente como é a festa no céu.  Leonardo Boff, no documentário Eu Maior, imagina o céu ideal como a humanidade inteira ao redor de uma mesa, um servindo ao outro, e Cristo passando, dando atenção especial aos pobres e humildes. Porém, mesmo sem ter certeza de como ela será, quem, em sã consciência, não fará o possível para entrar nessa festa? Quem não lembra do sapo da fábula, que se enfiou na viola do urubu para entrar no baile celeste? A admiração foi geral, principalmente dos outros bichos da terra incapazes de voo. No caso do animal humano, se a natureza não lhe deu asas, como não deu ao sapo, a sede de infinito plantada em seu coração faz dele um ser alado, capaz de alcançar o paraíso sem precisar de carona na viola de ninguém.
             
Sou daqueles que anseiam um dia participar dessa festa, embora sem pressa desse dia chegar.  E a fé que herdei de meus pais me faz crer que eles habitam uma das muitas moradas por Deus preparadas, ao lado de outros entes amados que já partiram para o além. Quando minha mãe morreu, entre as palavras de consolo que nunca esqueci, ouvi de uma pessoa de muita fé, que quando morre alguém de nossa família, é uma parte do nosso sangue que entra no céu. Mas se isso me conforta o coração, não arranca do meu pensar curioso algumas especulações. Minha mãe, para quem o paraíso na terra era cuidar da família, como estará ela vivendo o paraíso do céu? Ao meu pai, de alma arrebatada pela música e pela história, terá sido dada oportunidade de conhecer de perto grandes vultos da humanidade que tanto admirava? E como será o corpo celestial, dado por Deus a meu filhinho, ferido de morte ainda no ventre da mãe, quando estava prestes a nascer?
            
Sem respostas para essas indagações, às vezes me ponho a olhar as estrelas, pensando não na fábula do sapo, mas na conversa de Mustafa com o filho, Simba, do filme o Rei Leão:
            
 – Simba, tudo que você vê faz parte de um delicado equilíbrio. Como rei, você deve entender esse equilíbrio e respeitar todos os animais, desde a formiguinha até os antílopes.
            
 –  Mas não comemos antílopes?
            
 – Sim, Simba. Mas deixe-me explicar. Quando você morre seu corpo se torna grama que o antílope come. E assim, estamos todos ligados no ciclo da vida. E “deixe-me contar-lhe uma coisa que meu pai me contou. Olhe as estrelas. Os grandes reis do passado olham pra nós lá das estrelas. E sempre que se sentir sozinho, procure lembrar que aqueles reis sempre estarão lá para guiá-lo. E eu também estarei.”
            
Não só os reis, mas as pessoas amadas que nos deixam bons exemplos são como estrelas no céu a nos guiar. E como a pessoa que ama, como aprendi com Bilac, é capaz de ouvir e entender estrelas, penso não ser loucura dar ouvido a elas, da mesma forma que é uma bênção ouvir o canto de muitos mortos.
 
P.S.: Muitas das questões que trago agora faziam parte de nossas discussões quando fiz Teologia. E costumava conversar sobre elas com uma amiga e colega, a quem aprendi a querer bem.  A ela dedico este texto. D. Detinha Diogo, que também se fez estrela, no alto do céu a nos guiar.



Compartilhe:
 
Comentários
 
Confira também:

»Justiça poética

»O patrimônio dos deserdados

»Arrumação

»Ódio, não. Justa indignação.

 
 
Editorial do dia

Estilo Neide de Teotônio

Presume-se não ser apenas pelo sobrenome, mas o estilo de administrar o Poder Legislativo guarabirense da atual presidenta Neide de Teotônio tem sido pautado por mais elogios que críticas veladas, tanto da parte dos servidores da Casa quanto dos parlamentares.

Veja mais
 
Colunistas
Antonio Santos
Antonio Cavalcante
Justiça poética
Mais Lidas